Apresentação

Criada em 1990, a Escola Profissional da Santa Casa de Faro, hoje denominada Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar da Santa da Misericórdia de Faro, insere-se num contexto paradigmático favorável e potenciador do aparecimento de novos dispositivos de formação e de introdução de alterações radicais ou pelo menos significativas, nos sistemas existentes.

Este contexto favorável correspondia a um conjunto de tendências e de dinâmicas sociais de transformação e de modernização do tecido social a que se assistia em Portugal, na Europa Comunitária, bem como em muitos dos países da OCDE.

A Santa Casa da Misericórdia de Faro criou a Escola Profissional porque se fazia sentir a necessidade de quadros técnicos intermédios, devidamente qualificados, para otimizar o atendimento a crianças e a idosos.

Esta iniciativa foi inovadora, pois a Escola Profissional da Santa Casa foi o primeiro estabelecimento de ensino a proporcionar formação a auxiliares nas áreas da Infância e da Geriatria, com a abertura dos cursos de Animador Social/Assistente de Geriatria e de Técnico Auxiliar de Infância. E também nesta medida que a Escola desenvolve um processo social que não se esgota na formação qualificada de cada um dos jovens, seus alunos, mas antes, integra uma ambição de decidida participação no desenvolvimento social da comunidade em que se insere.

E uma Instituição a funcionar com Autorização Previa de Funcionamento nº. 31, de natureza privada, que prossegue fins de interesse publico e goza de autonomia pedagógica, administrativa e financeira, cultural, científica e tecnológica, encontrando-se sob a tutela pedagógica do Ministério da Educação e da Ciência.

A Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar – SCMF foi projetada com a finalidade de que as suas ações contribuíssem para a construção de uma sociedade mais justa e solidaria, em ordem aos princípios cristãos que a orientam. A solidariedade social, a integração social dos indivíduos, o bem-estar socioeconómico só serão possíveis se todos nos empenharmos em combater a iliteracia, a desqualificação tecnológica e a exclusão social. Uma sociedade desenvolvida caracteriza-se por um acesso generalizado dos cidadãos aos bens culturais, ao emprego e, consequentemente, a plena satisfação das suas necessidades biopsicossociais. Por isso, Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar tem, desde sempre, investido na qualificação dos recursos humanos, numa perspetiva construtivista e humanista. Construtivista, ao nível da promoção das competências cognitivas, técnicas e estratégicas, com vista a autoformação e a autorregulação enquanto cidadão e enquanto profissional. Humanista, porque sempre apostou em estar atenta as limitações dos indivíduos, procurando encontrar as metodologia e os meios que melhor se ajustem as suas capacidades e necessidades.

 

Missão

A nossa missão “Passo a Passo para a Inclusão”

A nossa missão “Passo a Passo para a Inclusão”, reproduz a ambição da escola em que cada jovem encontre um ambiente educativo acolhedor que lhe faculte condições propícias para o seu crescimento harmonioso e saudável, para a sua inclusão plena e para o desenvolvimento de competências e aprendizagens que lhe permitam enfrentar os desafios que a sociedade do século XXI coloca.

Visão

A Escola Profissional D. Francisco Gomes de Avelar da Santa Casa da Misericórdia de Faro pretende destacar-se pela qualidade das suas práticas pedagógicas, ser reconhecida como uma entidade impulsionadora de uma efetiva cultura assente na inclusão, promotora duma efetiva inserção dos seus diplomados no Mercado de Trabalho e ainda distinguir-se como uma instituição educativa de referência nas relações com a comunidade onde se insere, na promoção de uma cultura de esforço e exigência, de valores e de princípios de justiça, igualdade, respeito pela diferença e solidariedade.

Pretendemos ser uma Escola capaz de promover a formação intelectual e a reflexão crítica dos nossos alunos, apta a formar cidadãos responsáveis e empreendedores, que desenvolvam atitudes de cooperação e de intervenção: cidadãos solidários, respeitadores de ideias e de culturas diferentes. Uma escola que promova a igualdade de oportunidades e de condições, favorecendo a inserção socioprofissional, através duma preparação adequada para um exercício profissional qualificado e para uma cidadania ativa. Uma escola onde os valores são apreciados e o trabalho, numa perspetiva educativa, é um desafio para alcançar o sucesso.

Apostamos na conceção de uma Escola inclusiva, sem distinção de origens sociais, etnias, credos ou necessidades educativas e na promoção da sua autonomia. Ousamos e corremos riscos, acreditando que só assim podemos crescer e desenvolver o potencial humano existente em cada aluno, em cada professor, em cada técnico que integra a nossa instituição. O nosso labor, o nosso entusiasmo, terá de ter, inevitavelmente, reflexos na nossa comunidade e por extensão na nossa região, no nosso país, no mundo.

 

Garantia da Qualidade EQAVET

A Escola encontra-se a finalizar a elaboração do processo de certificação da qualidade de Ensino e Formação e Formação Profissional para a obtenção do Selo de garantia da qualidade alinhado com o Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade na Educação e Formação Profissional (EQAVET).

O quadro de Referencia Europeu de Garantia de Qualidade para a Educação e Formação Profissional – EQAVET (European Quality Assurance Reference Framework for Vocational Education and Training) – é um instrumento adotado, pelos Estados-Membros da União Europeia que lhes permite documentar, desenvolver, monitorizar, avaliar e melhorar a eficiência da oferta de Ensino e Formação Profissional (EFP) e a qualidade das práticas de gestão.

Trata-se de um renovado compromisso com a Qualidade e da implementação de um sistema que passa pela atribuição de responsabilidades, a identificação e a caracterização dos stakeholders, a definição de um processo cíclico de melhoria contínua através dos indicadores selecionados e da utilização e publicitação dos resultados em cada fase do ciclo de qualidade: planeamento, implementação, avaliação e revisão.